Risco de incêndio no cabeamento de telecom do seu condomínio

Se você leu a matéria seu condomínio pode estar em risco, você irá se lembrar da foto inicial que mostra aquele embaraçado de cabos passados nos posteamentos, e sobre o alerta aos riscos comuns, porém não menos importantes, da organização dos cabeamentos passados e de forma correta nas infraestruturas de telecomunicações, evitando o rompimento destes cabeamentos e a desconexão dos seus condôminos com o mundo lá fora, a internet, a maior 'fonte comercial pagadora' que conhecemos.


Pois bem, existem riscos ainda maiores não só focado em seus clientes finais, mas na infraestrutura interna do seu condomínio, sendo os cabeamentos de telecomunicações que para serem instalados devem seguir as normas vigentes de NBR e regimentos internos do condomínio. É por isso que a GLOBALBLUE aplica na sua gestão a todas as operadoras e prestadores de serviços a NPT — Normas e Procedimentos Técnicos para instalação.


Em instalações internas ou terceirizadas, alguns procedimentos devem ser seguidos à risca pelos técnicos, um deles se trata da implantação de cabeamento estruturado de telecomunicações. Existem alguns padrões e normas de cabeamento a serem levados em consideração, a principal padronização é regida pela Telecommunications Industry Association (TIA) e pela Eletronic Industries Alliance (EIA).


Definir a classe de retardância a chamas dos cabos conforme a NBR 14705 — Cabos internos para telecomunicações, é importante no projeto de uma rede interna. Os cabos possuem 4 designações básicas para a definição da retardância a chamas, sendo elas:


Cabo óptico geral (COG) - para instalações em um mesmo ambiente ou em locais com condições de propagação de fogo;


Cabo óptico Low Smoke and Zero Halogen (LSZH) - Cabo com baixa emissão de fumaça e livre de halogênios;


Cabo óptico Riser (COR) - Indicados para aplicação vertical em poço de elevação (Shaft), em instalações nas quais os cabos ultrapassem mais de um andar;


E o Cabo óptico Plenum (COP) - Indicados para aplicação horizontal, em locais confinados (entre pisos, forros, calhas, etc.).


Além da classificação do cabeamento para retardância a chamas, o cabo óptico usado para ambientes internos, tendo a sua nomenclatura inicial CFOI, é constituído por um conjunto de aplicações de cordões ópticos, elementos Monomodo ou Multimodo (que diz a respeito do comprimento da luz passada no cabeamento) e o seu núcleo seco revestido de uma capa externa de material termoplástico, que junto as nomenclaturas que vimos antes, formam a composição do cabeamento.


Outro fator importante é a recomposição do firestop nos shafts sempre que houver uma instalação nas áreas comuns do condomínio. O firestop é um sistema que retém o fogo num determinado local em caso de incêndio, não permitindo que este fogo se propague entre os andares ou para os outros locais do ambiente.


É por estes e muitos outros motivos que as instalações de telecomunicações devem conter um projeto aprovado por um engenheiro especializado, e haver a supervisão da instalação por um profissional capacitado que possua as certificações de NRs em dia, e tenha domínio sobre as Normas e Procedimentos Técnicos especificas em atendimento ao seu condomínio.


Você deseja ter uma infraestrutura para atendimentos de telecomunicações com excelência no seu condomínio? A medida que ocorrem cada vez mais os avanços tecnológicos, novas empresas se capacitam para receberem e avançarem junto, e é fundamental que as empresas tenham uma infraestrutura que atenda às demandas dessa nova realidade.


Se você deseja saber mais sobre as normas que podem ser estabelecidas atendendo o seu condomínio e ter um profissional especializado que supervisione todas as instalações realizadas em sua infraestrutura interna, entre em contato conosco e agende uma avaliação.